29.9.15

Um óptimo professor



Quando digo ‘há uns dias…’ já podem ter passado semanas, meses ou mesmo um ou dois anos. Quando digo ‘há uns anos atrás’ passaram com certeza bastantes.
Um dia, há uns anos atrás, vi numa das RTPs uma entrevista feita a Jorge Silva Melo, que falou, como sempre, de assuntos muito interessantes e falou também da influência e por que a tivera de um seu professor de filosofia, se bem me lembro, que tinha tido no liceu Camões.
Por ter ficado verde de inveja, não me teria importado ser mais velha para poder ter tido João Bénard da Costa como professor. Acho que foi a primeira e única vez que tive inveja de alguém. O que poderia ter aprendido de uma assentada de dois anos e que levei anos a aprender e, provavelmente, nunca recuperei o tempo perdido, nem aprenderei tudo o que ele me teria ensinado.
Isto vem a propósito de ter visto uma aluna, no facebook, a fazer ‘publicidade’ ao «livro escrito pela minha professora de português» Isabela Figueiredo
Desta vez não tive inveja, mas apenas por não me apetecer, nem um bocadinho, voltar a ser adolescente

6 comments:

Observador said...

De vez em quando, sabe bem recordar tempos da adolescência.

Silenciosamente ouvindo... said...

Interessante os dois estados de espírito.
Bj.
Irene Alves

inconfessável said...

Não me lembro que idade tinha quando vi essa entrevista, Observador. Mas não me parece que fosse adolescente.
Mas sim, é bom recordar, muito de vez em quando, tempos de adolescência.

inconfessável said...

Só quando escrevi é que percebi o quanto me sinto bem com a idade que tenho, Irene.
Beijo

margusta said...

..foi um inveja saudável !
Boa noite e beijinho!

inconfessável said...

Foi :), mas não deixou ser inveja à séria.