11.3.17

o quarto 3


morreu o filho?!
Interpelei-a vigorosamente. uma vida por outra vida ou vais levar as duas? Tuteei-a sem dar por isso
Aquilo que pensei ser uma pergunta digna, transformou-se rapidamente numa forma de litania, uma vida por outra,uma vida por outra, uma vida por outra
Sinto-me abjecta mas isso deixou de me importar. uma vida pela outra, uma vida pela outra, uma vida pela outra
e mesmo quando pareço estar calada ela forma-se no pensamento e é obsessiva.
Ficou impassível, eu é que estava agitada.
Não lhe vou dizer que o filho mais velho morreu, que caiu para o lado e chegou morto ao chão.
Tem todo o direito de saber, mas para quê? não pode salvar o filho, nem pode ir ao seu enterro, está tão mal que pode ir-se abaixo e morrer, são as minhas desculpas
Mas há os que insistem e dizem que a escolha é dele e garanto a todos que a escolha é minha que sou eu que decido. Não gostaram de ver-me fraca, magra, a decidir. teriam gostado mais se lhes tivesse pedido a opinião. Não o fiz.
Discussão sem sentido, dentro do quarto, vozes baixas, murmuradas
O que é que estão para aí a dizer? Nada, todos em uníssono
Ela continuava no quarto, não arredava pé

2 comments:

Luis said...

não quero o quarto quarto

quero o quinto

inconfessável said...

Lá chegaremos, não hoje